La Hoja de Coca no es Droga

A folha de Coca no mundo Andino

A Coca vem da palavra aimara Kkoka, que significa ‘arbusto’. Mas, a Coca não somente foi um alimento para o homem andino, assim como seu uso tradicional teve multiplas funções como de sobrevivência, integração e identidade étnica, todo o qual se viu reflexo em diversos aspectos da sociedade andina: econômico, religioso, cultural, medicinal e nutricional.

As formas tradicionais de trabalho comunitário não seriam possíveis sem a Coca e os conquistadores espanhóis sabiam disso, ao ponto de utilizarem a folha de Coca como moeda de pagamento e como tributo no século XVI.

A folha de Coca sempre foi parte integral do processo produtivo:no trabalho do campo, construção de infra-estrutura, transporte, mastigando-se antes, durante e depois do trabalho. Esta prática assumía um carater ritual quando realizava-se em forma comunitária.

La Hoja de Coca no es Droga!

A mãe natureza (Pachamama) deu ao mundo andino uma planta maravilhosa chamada ‘la hoja de Coca’, cujas as folhas tem sido usadas como alimento e medicina na região desde antes da fundação do Império Inca. O homem andino sempre a considerou como uma planta sagrada, por que a folha de Coca lhe proporcionava energias extraordinárias para vencer a geografia acidentada de seu habitát e por que curava todos seus males.

Com a chegada dos conquistadores, a imagem sacra da Coca deixou de ter vigência. A Coca foi perseguida desde 1540, os espanhóis em sua missão de evangelizar os indíos, e em seu afã de acabar com as idolatrias, foram os primeiros a desprestigiar esta planta, oriunda do Peru e de toda região do altiplano andino, julgando a folha de Coca de maneira absurda e injusta, ao considerá-la como uma planta do ¨demômino¨.

Vale a pena mencionar o trabalho acadêmico que fez o médico, literato e idealizador da Independência do Peru, Dom Hipólito Unánue Pavón (1755 – 1833), quem, apesar de existir mais de dois séculos de censura contra o uso da folha de Coca, foi o primeiro a fundamentar científicamente suas propriedades e utilizações benéficas, em seus diversos artigos publicados em seu periódico ¨el Mercurio Peruano¨ (1794), chamando-la ‘el architónico del Reino Vegetal’, exercendo uma grande defesa e difusão de seu consumo ( Livro La Coca, 2006, Miguel Zamora).

Na atualidade as propriedades benéficas da folha de Coca são motivo de controvérsias, debates e criminalização de costumes milenares e originários, aonde muitos estudiosos da medicina a consideram como um alimento indispensável, e inclusive se atrevem a afirmar que no futuro próximo será uma grande alternativa contra a fome e a desnutrição, assim como a batata, outro grande produto Inca, o foi para a população européia na escasses de alimentos durante o século XVII. Assim como a rapadura e suas variáveis ajudaram a combater a desnutrição infantil no nordeste brasileiro, a folha de Coca e seus similares podem e devem extirpar a fome dos países latino americanos.

Devemos ter em conta que a folha de Coca não é sinônimo de cocaína, muito menos de uso de drogas; por isso é necessário saber que a cocaína é um dos 14 alcalóides que compõem a folha de Coca, que além disso é composta por proteínas, vitaminas e minerais, e em sua forma natural, a folha de Coca, jamais poderá causar adiccion’ (que consiste no consumo compulsivo da substância. Parece estar relacionado com o fenômeno da sensibilização, oposto a dependência, em que, o uso contínuo aumenta alguns efeitos das substâncias psicoativas. Com o passar do tempo o uso contínuuo diminue a tolerância), por ter em sua composição química a substância da cocaína, cuja a preparação, fabricação, comercialização organizada e consumo deram lugar a um monstruoso império do narcotráfico, cuja expansão mundial, vem causando preocupação em todos os estados e governos, a tal ponto de ter sido catalogada como o principal flagelo do século XXI. Fica claro que o problema está na maneira como o homem aproveita a folha. Da cobiça a criminalização da folha sagrada, na falta de sensibilidade com as culturas diferentes e no equivocado trato das drogas – como caso de polícia, violência e criminalização – os resultados mundiais só pioram, aonde o crime organizado e a lavagem de dinheiro não param de crescer.

A história andina demonstra que os antepassados indígenas (aimaras e quechuas) eram grandes consumidores desta planta, e atravéz do mascado e da farinha de Coca, gozaram de muitos anos de vida e saúde. Isto se pode provar através dos restos mumificados encontrados em diversas regiões, surpreendentemente eles conservam quase intactos seus músculos e óssos. Pois que datam de 6.000 anos antes de Cristo, os vestígios de seu uso em cerâmicas, utensílios e tecidos.

Criminalização da folha de Coca

Quando os espanhóis chegaram ao ¨novo mundo¨ encontraram uma planta milagrosa e nutritiva. Mesmo assim, os colonizadores nunca viram com bons olhos o consumo por parte dos indígenas.

Logo a posição da Igreja Católica acentuaria o rechaço, e em meados do século XVI o Primeiro Concílio Eclesiástico, realizado em Lima (1551), solicitaria ao rei da espanhã oficialmente a proibição do consumo da folha de Coca, argumentando-se que tal planta teria propriedades maléficas por que os índios a utilizavam para adorar e invocar ao Satanás.

Um segundo Concílio, realizado em 1567, em Lima, ratificou-se o rechaço ao consumo da folha de Coca. Ocorreu assim o choque de duas civilizações e nesse enfrentamento a Coca saiu perdendo. De planta divina para a cultura inca, converteu-se em satânica para a Igreja Católica.

Em 1860, o químico alemão Albert Niemann descobre a cocaína, um dos 14 alcalóides que contêm a folha de Coca. Sigmund Freud publicou um ensaio ‘Über Coca (1884)’, analizando as propriedades da folha e recomendava para o tratamento de uma série de mal estares físicos provocados pela tensão nervosa e da fadiga. Mas, Freud cometeu um grave erro ao confundir a cocaína como a essência ou concentrado de Coca. Tal equívoco custou caro ao futuro da folha sagrada.

Em meados do século XX, em 1950, um informe elaborado pelo Conselho Econômico e Social das Nações Unidas reconheceu o conteúdo com diversos nutrientes, vitaminas e minerais, em especial o cálcio. Infelizmente, este sería o único voto favoravel que obteria a folha sagrada a nivel mundial por que 11 anos depois, em 1961, a Convenção Única Sobre Drogas Narcóticas das Nações Unidas sobre substâncias psicotrópicas estabeleceu uma série de mecanismos de controle sobre o cultivo da Coca. Na prática as Nações Unidas haviam declarado guerra a folha sagrada dos Incas. Para piorar a situação e as contradições do tema, o próprio Peru firmou o dito convênio.

No ano de 1994, os presidentes do Peru e Bolívia assinaram a Declaração de Ilo, aonde buscaram a valorização da imagem da Coca, ficando ¨Acordado a constituição de uma comissão binacional de alto nível, coordenada pelos Ministérios de Relações Exteriores, com o papel de elaborar e executar uma estratégia conjunta de revalorização da folha de Coca, cujo principal objetivo será retirar a folha sagrada da lista número 1 da Convenção Única de 1961.¨

Já no ano de 2001, o Congresso Nacional Peruano retomou o tema e aprovou a moção N 785 que recomendava ao Executivo realizar uma gestão estratégica para a retirada da Lista 1 da Convenção Única de Entorpecentes. Mas o governo do presidente Alejandro Toledo preferiu ignorar tal recomendação e assassinar os costumes do povo que lhe elegeu.

Segue abaixo poema de Marina Escobar.

Por Marina Escobar

La coca andina es verde

y es mejor que la espinaca

de los popeyes del norte;

si comes coca no te drogas

si comes uva no te embriagas

Si erradican los cocales

que erradiquem los viñedos

cebada y cañaverales,

por qué estamos desde Noé

transformando alimentos

creyendo estar más contentos ?

A la coca la blanquean,

a la uva y la cebada la fermentan

a la caña la trituran.

Carajo qué hombres tan locos!, quizá es mejor ser animal.

Por Érico Massoli, coletivo Soylocoporti

Fontes:

La Coca, 2006, Jr. Miguel Zamora 148, Lima-Peru

LA COCA, geografia, história, Cultivo e Tradição nas províncias de Calca e a Convenção, 2006, René Ascue Muñiz – Cusco – Peru.

http://www.soylocoporti.org.br/

share save 171 16  La Hoja de Coca no es Droga
Esta entrada foi publicada em América Latina, Cultura. Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta