Ator mente

Sorrria
De noite
De dia
Com maestria
Ator mente
Maestro
DeMente
Vazia
Ator menta
Da vida.
 
 
 
 
share save 171 16 Ator mente
Publicado em Poesia | Deixar um comentário

Não esqueço

 

Te perdoei
Mas não 
Esqueço
O bem e o mal
Que você me faz
share save 171 16 Não esqueço
Publicado em Cultura, Poesia | Deixar um comentário

Aprendendo a viver

“Podes me indicar alguém que dê valor ao seu tempo, valorize o seu dia, entenda que se morre diariamente? Nisso, pois, falhamos: pensamos que a morte é coisa do futuro, mas parte dela já é coisa do passado. Qualquer tempo que já passou pertence à morte.

Então, caro Lucílio, procura fazer aquilo que me escreves: aproveita todas as horas; serás menos dependente do amanhã, se te lançares ao presente. Enquanto adiamos, a vida se vai. Todas as coisas, Lucílio, nos são alheias, só o tempo é nosso.”

Trecho da carta I, “Da economia do tempo”
Sêneca – Aprendendo a viver

share save 171 16 Aprendendo a viver
Publicado em Cultura, Literatura | Deixar um comentário

O lobo da estepe

o lobo da estepe 150x150 O lobo da estepeAndava sobre duas pernas, usava roupas e era um homem, mas não obstante era também um lobo da estepe. Havia aprendido uma boa parte de tudo quanto as pessoas  de bom entendimento podem aprender. O que não havia aprendido, entretanto, era estar contente consigo e com sua própria vida. Nele o homem e o lobo não caminhavam juntos, nem sequer se ajudavam mutuamente, mas permaneciam em contínua e mortal inimizade e um vivia apenas para causar dano ao outro, e, quando há dois inimigos mortais num mesmo sangue e na mesma alma, então a vida é uma desgraça.  Bem, cada qual tem o seu fardo.

Herman Hesse –  “O lobo da estepe”

share save 171 16 O lobo da estepe
Publicado em Literatura | Deixar um comentário

Fenix

Eu também sofri
e vivo por amor
já se vão meses
sangrei chorei morri
por várias vezes
mas renasci,
como a fenix,
que renasce das cinzas
todas as vezes.
share save 171 16 Fenix
Publicado em Poesia | Deixar um comentário

“Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto,
gostem de mim,
nem que eu faça a falta que elas me fazem.
O importante pra mim é saber que eu,
em algum momento, fui insubstituível,
e que esse momento será inesquecível.”
Fernando Pessoa
share save 171 16
Publicado em Poesia | Deixar um comentário

Inspiração

manda inspiração
ousada dança
preguiça divertida
sorriso sem ruído
lembrança
pelo louro
ruivo fogo,
linda.
share save 171 16 Inspiração
Publicado em Poesia | Deixar um comentário

Choro!

pandeiro redondo1 300x224 Choro!

Novo tripé da vida:

dança música poesia
Pandeiro caxixi agogô

tantã ganzá tamborim
surdo.
Nova percepção de ritmo:
Samba canção
samba de roda
samba enredo
breque afro
choro.
share save 171 16 Choro!
Publicado em Sem Categoria | Deixar um comentário

Santa do pau oco

É difícil chegar de viagem
e ver a casa vazia,
é incrível como a casa
ficou pequena e sombria.
nos espelhos vejo
apenas sua fotografia,
iconografia
santa do pau oco,
tola idolatria.
abrir a geladeira cheia de bebida
como se não houvesse vida,
escolher roupa no armário
e não ver lingerie e roupas íntimas.
usar o banheiro
sem se preocupar em molhar a pia,
tirar água do joelho
sem se preocupar em levantar
a tampa da rainha.
o copo meio cheio,
a mente meio vazia,
o gosto pelo casal,
o limiar da vida.
viver com alegria,
quem se importa,
momentos alegres
ou tristes,
lágrimas ácidas,
sorriso jovial,
sexo comportado
sem palavrão,
sexo carnal
tem putaria,
monogamia?
pouco importa,
viva a vida!
share save 171 16 Santa do pau oco
Publicado em Poesia | Deixar um comentário

Não é capim

Não dá em arvore,
não é capim,
é de papel,
mas tem fim.
Não sei como ganhar
quando eu aprender,
fazer dinheiro,
vai sobrar.
Mas liberdade
hoje,
sem dinheiro
não existe,
mas com ele,
sinto,
vai me aprisionar.
Não tenho dinheiro.
eu trabalho,
não reclamo,
mas não dá.
Eu trabalho,
mas não ganho,
a loucura custa caro,
só desespero,
e contas a pagar.
Aprenderemos?
dinheiro faz dinheiro,
mas quem trabalha,
aos olhos de Deus,
nada será.
Deus ajuda
quem cedo madruga,
mas dinheiro mesmo,
é arte pra poucos,
que milagre não dá.
Não quero dinheiro?
só quero amar!
mas a liberdade,
meu caro,
custa caro,
mãe e pai,
o amor,
vai passar.
O valor do dinheiro,
duvida,
prosperidade é teoria,
dúvida,
nem passado ou futuro,
difícil é fazer dinheiro,
aprender a se virar.
Amar não tem preço,
dádiva,
o presente davida,
o tempo dagente,
em realidade,
fácil revidar.
share save 171 16 Não é capim
Publicado em Poesia | Deixar um comentário